quarta-feira, 14 de janeiro de 2009

Paredes

Trancada em meu quarto
cheio de vazio
sozinha
completamente sozinha
sigo.
Passo meus dias frígidos
observando paredes
Paredes do qual escorrem medos
fluindo como água
Decaindo fantasias
Sozinha
Ah paredes gélidas são meu refúgio
me banhando de receios
me enchendo de alucinações
minhas companheiras
Refletido em cada canto
faces minhas que desconheço
À noite elas me abraçam
me consomem
Cheia continuo vazia
Junto a elas, sozinha...

5 comentários:

  1. Fiz um poema certa vez parecido com esse; chamava-se "letargia". Ás vezes as paredes me dão exatamente essa sensação: insosso, vazio, solidão. Parabéns pelo poema, como sempre, belíssimo.

    Beijos mil

    ResponderExcluir
  2. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  3. Oieee ave rara, alguém m disse q "escrever é uma maneira d estar sozinho". Concordo ! Sabes, apenas nos momentos do "só" q descobrimos coisas fantásticas. Particularmente, uma experiência, em outrora gostava d estar envolta d pessoas, + algo, uma decisão q tomei mudou todo o rumo d minha vida; no começo fiquei frustrada, perdas e perdas, mas c o tmp descobri o q realmente é estar sozinha, q é estar sozinho d si mesmo e q a maior perda q sofrerá foi ter perdido minha alma, território. Uma frase d platão q amo, Q A MAIOR CONQUISTA É A CONQUISTA D SI MESMO.
    Jornada solitária q pra mim ñ é + solitária.

    bjs querida.

    ResponderExcluir
  4. Oie ave rara, paz !

    Quanto tempo hein !? Estava com saudades viu !
    Não pare de postar, pois seus escritos são maravilhosos e muito falam comigo.

    Beijinhos perfumadinhos linda.

    ResponderExcluir
  5. Pra ti esta música ave rara;

    http://www.youtube.com/watch?v=MYNEYp06EkI

    Tu és especial, não se esqueça viu !

    bjs

    ResponderExcluir